sábado, 15 de julho de 2017

Ainda sobre nós

Hoje fiquei feliz porque sonhei com você
Do jeito que você era quando te conheci... sem mais
Do jeito que eu era quando tinha você pra mim ... sem menos.
Quando ainda éramos nós.

Pude te sentir de novo, tocar você
sentir seu cheiro seu toque em meu corpo
seu cuidado, senti seus beijos e seu gosto
Pude ter meu primeiro amor de volta por uma noite.

Te abracei forte como se soubesse que tínhamos o tempo contra nós, te olhei como se fosse uma última vez e  vi meus olhos dentro dos seus e como ao final de um filme acordei... 

segunda-feira, 10 de julho de 2017



Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim, nem que eu faça a falta que elas me fazem. O importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível, e que esse momento será inesquecível.


 Fernando Pessoa. 

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Saudade de quando eu tinha mais tempo ...                       
De quando era mais nova e não tinha horários pra tudo.
Saudade de andar por aí descalça e de usar tranças,
de quando tinha mais tempo pra ler um bom livro,
de sair pra tomar um sorvete com os amigos ou
de ficar até tarde batendo papo com a minha mãe. 
Saudade de ficar acordada olhando as estrelas,
de tomar banho na chuva e achar isso normal.
Saudade de escrever minhas poesias sem rima e ficar de pernas pro ar.
Saudade de quando tinha mais tempo pra sonhar.
Tenho saudade das borboletas no estômago e de quem a gente era quando se conheceu. 
Tenho saudade de ter mais tempo e,
tenho mais saudade ainda de quando tinha tempo pra tentar viver um sonho.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

''Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. 
É o arremate de uma história que terminou, 
externamente, sem nossa concordância, 
mas que precisa também sair 
de dentro da gente.''

Martha Medeiros

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Uma mulher de atitude não é para qualquer um!


A verdade é que mulher de atitude é aquela que abriu mão. Abriu mesmo, sabe?
Não, ela não se maquia mais como antes, nem está sempre de salto.
Se libertou de qualquer relação afetiva com seu cabelo.
Definitivamente, não nasceram um para o outro.
Se curou da sua compulsão por etiquetas em roupas, sapatos, bolsas. Argh!
O problema não eram os objetos, mas as etiquetas.
Assim que ela as tirava, não os tinha com o mesmo prazer que os via.
Agora está a salvo.
Abriu mão da postura imaculada, da cara amarrada.
Passou a sorrir mais para estranhos, fazer mais amigos e menos contatos.
Abriu mão da regalia exposta, se apaixonou pelo simples, pelo menos.
Pelo dela, por ser ela. Um preço que quase ninguém quer pagar.
Cansou dessa ciranda de sorrisos plásticos.
Se mulher direita é assim, ela é assado;
esquerda liberalista. Errada, contrariada. Ela é o oposto, o desgosto.
Geralmente identificada como a louca. Não liga. Louca lhe cai bem, afinal.
Uma vez, ouviu de um colega que ela devia “assustar os homens com seu jeito”,
prontamente respondeu que selecionava os homens com seu jeito.
Se toda casa tem que ter um homem, ela se dispôs a ser ele desde cedo.
De fato, encontrar alguém a sua altura é difícil.
Não por ela, não lhe entenda mal.
Mas por eles. Eles não querem uma mulher que seja pau a pau,
que domine, que não o espere em casa
assistindo novela enquanto ele está na pelada com os amigos.
O que eles querem é a Sandy. A submissa, a quietinha, a que tenha um passado que não lhe condene. O dela arde em chamas; ela é muito mais do que isso.
A mulher de atitude é um desafio, dá trabalho. Os clichês não lhe convencem,
é preciso ter essência. Dispensa compatibilidade de gostos,
o que ela busca são planos que se casem.
Se quiser mantê-la não a prenda, nem sequer seus cadarços são amarrados.
Se a vir partir não a pare, se lhe convir, ela vai voltar sem aviso prévio.
Rejeita a premissa de carência afetiva,
não se pode sentir falta do que nunca se teve.
Ela não é reflexo, é ato. Não é vulgar,
mas tem o sal que falta nas mulheres doces. Já abriu mão daquela história de príncipe encantado, de cara certo,
de opostos que deveriam se atrair.
Seu santo não tem o pau oco, é recheado de memórias.
Tem um orgulho inenarrável de todas as conjecturas talhadas pela vida
por amores roubados, por amizades perdidas, por dinheiro gasto.
Ela é pesada, ainda traz no lombo o fardo de suas asas cortadas.
Não se esquece a dor da noite para o dia, é preciso senti-la e vê-la partir.
Não pode fingir que não viveu tudo que já fez. Seria uma imensa grosseria
com todos os anos cicatrizados na pele como marcas de sol.
Não apagaria seu passado nem se pudesse. É dela, tão ela,
quanto cada sorriso que guarda na lembrança de qualquer passo atravessado.
A verdade é que ela abriu mão. Abriu mesmo, sabe?
Não, não se maquia mais como antes, pois procura por quem
não tenha medo de ver seus olhos fartos. Nem está sempre de salto,
já tem a cabeça na lua enquanto seus pés saltitam pela rua.

Ela dispensa homem sem coragem.
Antes uma vida só do que uma mentira a dois.

- Samantha SIlvany -